# PRAZO DE INSCRIÇÃO PRORROGADO ATÉ 14 DE JUNHO #

O XV encontro da ABRALIC, a Associação Brasileira de Literatura Comparada, acontecerá no Rio de Janeiro entre 19 e 23 de setembro de 2016.

No encontro haverá um simpósio dedicado à teoria mimética. Ressaltemos, em conformidade com a apresentação do simpósio, que não é preciso que as propostas de trabalhos sejam da área de literatura comparada, mas apenas que dialoguem com a teoria mimética.

O prazo para propor comunicações vai até 14 de junho. Os resumos devem ter de 400 a 500 palavras, como diz a ficha de inscrição.

Para alunos de pós-graduação, será preciso associar-se à ABRALIC (R$ 200) e pagar a taxa de participação no encontro (R$ 40). O primeiro prazo de associação será 30 de junho, e a associação pode ser feita após a aprovação da comunicação.

Você pode seguir a ABRALIC no Facebook e no Twitter, e, é claro, ir ao próprio site da ABRALIC.

TEORIA MIMÉTICA: DESDOBRAMENTOS E POSSIBILIDADES

> COORDENADORES:

Marcus Vinícius Nogueira Soares – UERJ

> Johannes Kretschmer – Universidade Federal Fluminense

> RESUMO: A trajetória de René Girard teve como base a interdisciplinaridade. Seu primeiro livro, Mentira Romântica e Verdade Romanesca (1961), é um brilhante ensaio de crítica literária e de literatura comparada. Em seu segundo livro A Violência e o Sagrado (1972), o "crítico literário" reinventou-se, ampliando suas áreas de interesse até abarcar a antropologia, os estudos da religião e a análise do mito. Por fim, com a publicação de Coisas Ocultas desde a Fundação do Mundo (1978), como o título sugere, em sua alusão ao Evangelho de São Mateus, o "crítico literário-antropólogo" voltou a forjar uma nova identidade por meio de uma apropriação muito particular das Escrituras. A partir de então, a preocupação teológica e antropológica constituiu o eixo de sua teoria. O cruzamento das duas disciplinas não só levou à elaboração de uma antropologia propriamente mimética, como também favoreceu o esboço de uma teologia antropologicamente orientada. Mencione-se ainda uma leitura antropológica que encontra na Bíblia a matriz da noção de intertextualidade. Nos dois casos, a força da obra girardiana reside na capacidade ímpar de descobrir relações inesperadas entre textos das mais distintas tradições. A formação de paleógrafo e de crítico literário deixou marcas permanentes em sua reflexão. Assim, mesmo quando suas preocupações intelectuais conheceram novos rumos, a leitura detetivesca de textos continuou a ser um dos traços mais originais de sua abordagem. Dado o caráter interdisciplinar da Teoria Mimética, este simpósio acolherá propostas que se relacionem com os pressupostos do pensamento girardiano.

Palavra-chave 1: René Girard

Palavra-chave 2: Teoria Mimética

Palavra-chave 3: Violência

Palavra-chave 4: Bode expiatório