Foto de Elizabeth Bailie

René Girard nasceu em 25 de dezembro de 1923 em Avignon, na França. Membro da Academia Francesa e professor emérito de Stanford, foi também professor em Johns Hopkins (Maryland) e em Bloomington (Indiana), onde começou a desenvolver a teoria do desejo mimético, apresentado em seu primeiro livro, Mentira Romântica e Verdade Romanesca, publicado em 1961.

Mentira Romântica e Verdade Romanesca é uma discussão de cinco grandes romancistas — Cervantes, Stendhal, Flaubert, Dostoiévski e Proust — , que teriam tido a intuição da triangularidade do desejo e trazido-a para o primeiro plano de suas obras. A evidenciação dessa triangularidade é que caracterizaria a verdade romanesca, contrastada com a mentira romântica, presente em obras que omitiriam desse primeiro plano o “modelo” ou “mediador” do desejo.

Seu terceiro livro, A Violência e o Sagrado, de 1972, expõe a segunda tese pela qual René Girard é conhecido: a do bode expiatório como fundamento do sagrado e, por conseguinte, das religiões e das culturas. Para René Girard, haveria no judaísmo e no cristianismo uma inteligência especial do fenômeno: as religiões pagãs assumiriam o ponto de vista dos perseguidores da vítima original, que seria acusada de causar a desordem na comunidade, ao passo que o judaísmo e o cristianismo, destacando-se as narrativas evangélicas, enfatizariam a inocência dessa vítima ao narrar a mesma violência desde seu ponto de vista.

A partir dessas intuições fundamentais, a obra de René Girard desenvolveu-se em quase vinte livros, alguns dos quais são coletâneas de ensaios e outros são longas entrevistas ou diálogos, entre os quais destacam-se Coisas Ocultas desde a Fundação do Mundo (com Guy Lefort e Jean-Michel Oughourlian); Evolução e Conversão, com João Cezar de Castro Rocha e Pierpaolo Antonello, livro em que Girard faz uma retrospectiva de sua carreira; e Rematar Clausewitz: Além Da Guerra, um diálogo com Benoît Chantre, que a partir do tratado Da Guerra, de Carl von Clausewitz, discute nada menos do que o apocalipse.

Atualmente, cresce o número de estudiosos da obra de René Girard no mundo, que reúnem-se anualmente no COV&R — Colloquium and Violence and Religion.

No Brasil, a É Realizações tem concentrado a publicação das obras de Girard, e já realizou um seminário internacional por ocasião do lançamento de sua Coleção René Girard.

Ao redor do mundo, diversas atividades ligadas à promoção e à discussão da obra de René Girard, como este blog, têm o apoio da Fundação Imitatio.