Miméticos

Um blog sobre René Girard e a teoria mimética

Tag: Carson McCullers

A Ficção de Carson McCullers: uma Literatura Não-Violenta?

por Júlia Reyes

Mesa plenária de 11 de Agosto de 2017: Teoria Mimética e mundo contemporâneo — ABRALIC 2017

Meu projeto de doutorado é estudar a ficção da escritora estadunidense Carson McCullers (1917-1967) utilizando a teoria mimética como perspectiva para as análises de seus contos e romances. Longe de “aplicar” a teoria mimética na obra de McCullers, a intenção do projeto é dialogar com a perspectiva girardiana durante a análise da prosa de uma escritora estadunidense ainda pouco conhecida no Brasil.

Carson McCullers

Carson MccCullers nasceu em Columbus, Georgia, em 1917 e estreou na literatura apenas vinte e três anos com a publicação de seu primeiro romance The Heart is a Lonely Hunter (1940), traduzido no Brasil por Sonia Moreira como O Coração é um caçador solitário (Cia das letras, 2007). Em seus primeiros anos como escritora, McCullers produziu seus melhores trabalhos, ao lado de seu primeiro romance: o romance Reflexions in a golden eye (1941), traduzido como Reflexos num olho dourado (José Olympio, 2010), a novela The Ballad of the Sad Café (1943) que apareceu originalmente na Harper’s Bazaar e posteriormente foi o título de uma coleção de contos, The Ballad of the Sad Café: The Novels and Stories of Carson McCullers (1951), traduzida por Caio Fernando Abreu como A Balada do Café Triste (Globo, 1993) e seu terceiro romance, The Member of the Wedding (1946), traduzido no Brasil como A sócia do casamento (Círculo do Livro, 1989).

Carson McCullers é conhecida pela crítica literária por criar personagens considerados outsiders tais como alcoólatras, homossexuais, crianças, adolescentes tomboys, corcundas, surdo-mudos, negros, judeus e forasteiros. Pensando na teoria mimética elaborada por René Girard, a pesquisa buscava investigar o que acontece com tais personagens outsiders em relação à violência e à sua relação com seu grupo social.

Como aponta Girard em A Violência e o Sagrado (1972), as potenciais vítimas de sacrifícios humanos nas sociedades arcaicas eram escravos, prisioneiros de guerra, adolescentes solteiros, pessoas com defeitos físicos, ou às vezes o rei, ou seja, pessoas que possuíam laços frágeis com sua comunidade, de forma que após serem sacrificadas, ninguém pudesse desejar vingar sua morte, instaurando um ciclo de vinganças infinito que ameaçasse tal comunidade de desintegração. A ideia do projeto é fazer um salto até o século vinte e pensar – com cautela e com a devida prudência – a questão da violência e do bode expiatório dentro do cenário da ficção de Carson McCullers, ou seja, dentro da vida burguesa norte-americana e do cotidiano de cidades pequenas estadunidenses nas décadas de 1930 e 1940, uma época de extrema violência nos Estados Unidos flagrante no racismo e na miséria no Sul agrário e anteriormente escravista.

McCullers privilegia personagens outsiders em sua ficção, portanto, investigo se tais personagens poderiam manter laços frágeis com sua comunidade e acabar sendo escolhidos como bodes expiatórios. Em outras palavras, por serem outsiders, tais personagens poderiam ser vistos como potenciais bodes expiatórios e a escritora, diante dessa diferença entre outsiders e seu grupo social, acabaria descrevendo episódios de hostilidade e violência entre eles e/ou resolvendo o desenlace de tais conflitos.

Assim, principiei a leitura da ficção de McCullers por seus contos, procurando, um pouco como Girard, semelhanças entre os textos. No início da pesquisa, encontrei o conto “Sucker” a narrativa descrevia o conflito entre dois irmãos. O irmão mais velho, Pete se apaixona por uma garota popular do colégio, Maybelle, que se aproxima dele amistosamente. Nessa época de amor correspondido, Pete trata muito bem o irmão que ele chama de Sucker. No entanto, ao ser desprezado por Maybelle, que se aproxima então de um garoto popular da escola, Pete desconta sua frustração em Sucker, dizendo-lhe palavras duras em um acesso de raiva. Sucker nunca mais o trata como o ídolo e irmão querido como antes e Pete termina o conto arrependido. Este conto, escrito quando McCullers tinha apenas 17 anos parecia indicar que a autora possuía familiaridade com temas como o arrependimento e a violência. Aos poucos fui me questionando se McCullers seria uma escritora romanesca, ou seja, atenta às dinâmicas da mediação, às interações entre sujeitos e modelos, e ao funcionamento do mecanismo do bode expiatório, por exemplo, ou ao caráter contagioso da violência humana.

Passei então a investigar a novela A Balada do Café Triste, em que a personagem Srta. Amélia Evans é a mulher mais rica da cidade e além de exímia carpinteira, plantava cana-de-açúcar, produzia mel, fazia remédios caseiros para a população, fabricava um uísque memorável e vendia produtos em um armazém que depois se torna um Café com a chegada de um forasteiro corcunda. Lymon, como outros antes dele, jura que é parente distante de Amélia e para o espanto de todos, Amélia acolhe Lymon em sua casa sem dar maiores explicações aos presentes. Passados alguns dias depois de Amélia receber o desconhecido, começam boatos sobre Amélia ter assassinado o corcunda e alguns moradores da cidade se reúnem em frente à porta de sua casa. O narrador descreve então o momento da formação de um linchamento:

“Os relógios marcaram oito horas. Ainda não acontecera nada. Depois dos boatos macabros do dia, a noite gelada assustou algumas pessoas, que se trancaram em casa, perto do fogo. Outras formavam pequenos grupos, e oito ou dez homens haviam se reunido na varanda da Srta. Amélia. Estavam em silêncio, concentrados, esperando. Eles mesmos não saberiam dizer o que esperavam, mas era simples: em termos de tensão, quando alguma coisa importante vai acontecer, os homens se reúnem e esperam dessa forma. E, depois de algum tempo, chega o momento em que todos juntos agem como se fossem um só, impelidos não pelo pensamento ou vontade de um único homem, mas pelos seus próprios instintos fundidos, de maneira que a iniciativa não parte de nenhum deles, mas do grupo todo. Nesses momentos, não há hesitações individuais. E depende apenas do destino que essa ação conjunta resulte em saque, violência e crime. Assim, os homens esperam solenemente no terraço da Srta. Amélia. Nenhum deles sabia por que estavam ali nem o que desejavam, mas sabiam intimamente que deviam esperar, e que a hora estava quase chegando.” (MCCULLERS, 1993, p. 26)

A passagem expressa claramente que McCullers, nascida em Columbus, Georgia, região Sul dos Estados Unidos, tinha consciência da violência de um linchamento, do momento da criação do escândalo, da canalização da violência de todos contra uma única vítima e de seu assassinato. No entanto, pouco depois, a própria autora comenta que nem toda cidade estaria de acordo com a prisão de Amélia nem acreditava que ela tivesse assassinado o primo Lymon:

Mas não seria verdade dizer que toda a cidade tomou parte naquele festival diabólico. Alguns homens de bom senso achavam que, sendo tão rica, a Srta. Amélia não iria assassinar um vagabundo por causa de uma porção de porcarias. Na cidade havia até três boas pessoas que não desejavam aquele crime, e isso não porque achassem a história desinteressante ou pouco comovente: elas não sentiam o menor prazer em imaginara Srta. Amélia agarrada às grades de uma cela e sendo eletrocutada em Atlanta. Essas boas pessoas julgavam a Srta. Amélia de um jeito diferente das demais. Quando alguém é tão diferente dos outros, como ela era, e quando seus pecados são tantos que nem sequer podem ser lembrados sem esforço, certamente esse alguém requer um julgamento especial. Essas pessoas lembravam que a Srta. Amélia tinha nascido morena demais e com uma coisa esquisita no rosto, criada sem mãe, pelo pai, um homem solitário que ainda adolescente media quase um metro e oitenta de altura, e isso não era natural numa mulher, que seus modos e hábitos eram muito peculiares para que se pudesse pensar racionalmente sobre eles. Principalmente, essas pessoas lembravam o espantoso casamento dela, que fora o mais inexplicável escândalo jamais acontecido naquele lugar.

Portanto, o que essas boas pessoas sentiam pela Srta. Amélia era algo próximo da piedade. E quando ela resolvia fazer alguma grosseria, como invadir a casa de alguém para apoderar-se de uma máquina de costura em pagamento de uma dívida ou decidir ela mesma algum assunto que caberia à lei resolver, essas pessoas tinham por ela um sentimento que era uma mistura de irritação, um ridículo divertimento secreto e uma profunda, incompreensível tristeza. Mas isso acontecia apenas com essas boas pessoas, que eram apenas três. Durante a tarde inteira, o resto da cidade estava transformando numa verdadeira festa o suposto crime da Srta. Amélia.” (MCCULLERS, 1993, p. 25)

Como fica evidente no trecho citado, McCullers arma uma situação de conflito que aumenta gradativamente até um ponto extremo, mas dissolve esse conflito de forma inusitada e surpreendente. Nesta novela, o narrador descreve um linchamento eminente, mas em seguida menciona que havia três pessoas na cidade que tinham por Amélia um sentimento que era “uma mistura de irritação, um ridículo divertimento secreto e uma profunda, incompreensível tristeza” (MCCULLERS, 1993, p. 25). Há, portanto, além da multidão violenta, indivíduos compassivos. Além disso, o linchamento de Amélia não acontece: quando os oito homens entram na casa de Amélia, depois de esperar muito tempo, têm uma surpresa. O narrador indica “De repente, como se fossem movidos por uma única vontade, entraram no armazém. Naquele instante, os oito homens pareciam iguais, todos usando macacões azuis, a maioria de cabelos louros, pálidos e com um olhar fixo, alucinado” (MCCULLERS, 1993, p. 28). No entanto, ao entrarem, os homens vêem “o corcunda que tinham assassinado em sua imaginações” (MCCULLERS, op. cit., p. 28) descendo as escadas impecavelmente limpo, usado uma camisa da Srta. Amélia. O corcunda inspeciona cada um dos homens olhando-os, e segurava uma caixinha de rapé que tinha sido do pai da Srta. Amélia. O clima da situação muda entre os operários da tecelagem. O narrador relata: “Subitamente, no armazém, havia uma atmosfera de festa e intimidade.” (MCCULLERS, 1993, p. 29). A srta. Amélia serve seu uísque pela primeira vez dentro do armazém para os presentes, e não mais pela porta da cozinha, quando os cidadãos saíam pelos fundos da casa depois de ter pago pela bebida. O armazém transforma-se em um café. E McCullers escreve sobre este início de forma afetuosa:

Assim começou o café. Desse jeito simples. Lembre-se de que a noite era fria como se fosse de inverno, e sentar lá fora teria sido desagradável. Dentro, havia boa companhia e um calor gostoso. Alguém acendera o fogão ao fundo, e aqueles que tinham comprado garrafas ofereciam uísque aos amigos. Algumas mulheres que estavam lá tomaram xícaras de ponche ou até se arriscaram no uísque. O corcunda continuava a ser uma novidade, e sua presença divertia a todos. (…) Nem mesmo com o uísque correndo solto ouviam-se palavrões, risadinhas indecentes, ou alguém se comportava mal. Ao contrário, o grupo foi tão educado que parecia até mesmo um pouco tímido. Acontece que, naquela cidade, as pessoas não estavam acostumadas a ficar juntas por prazer. Encontravam-se para trabalhar na fábrica ou aos domingos, às vezes, em piqueniques no campo, mas esses encontros eram utilizados pelo Pastor apenas para assustá-los com o inferno e enchê-los de medo do Todo-Poderoso. O espírito de um Café, porém, é completamente diferente. Mesmo os mais ricos e mais safados sabem que, num ambiente desses, ninguém deve ser insultado. Até os pobres olham em volta com gratidão, servindo-se de maneira delicada e modesta. O ambiente de um Café implica estas qualidades: companheirismo, satisfação no estômago e certa graça e alegria no comportamento. Ninguém explicara nada disso ao grupo daquela noite no armazém da Srta. Amélia. Mas eles pareciam saber disso desde sempre, embora nunca tivesse existido um Café na cidade.”(MCCULLERS, 1993, p. 32)

Os três trechos aqui apresentados, 1) a preparação do linchamento da srta. Amélia baseado na suspeita de que ela tivesse assassinado seu hóspede, o corcunda 2) as três pessoas da cidade que não acreditavam no boato nem participariam do linchamento e 3) o momento em que Lymon aparece e Amélia oferece uísque a todos dentro do armazém, antecipando a criação do Café são bem ilustrativos de uma técnica narrativa que McCullers utiliza em outros de seus contos. A pesquisa realizada até agora busca identificar como a escritora estadunidense estrutura suas narrativas de forma a criar um conflito violento que é dissolvido através de um desenlace inusitado em que ao invés da violência do linchamento ou da violência entre um sujeito e seu modelo-obstáculo, o leitor encontra situações de compaixão, amizade, fraternidade e amor. Apesar da novela A Balada do Café triste terminar com um episódio violento, esse momento de reversão de uma violência iminente se repete em outros contos.

No conto “Wunderkind”, uma estudante de piano está à beira de um colapso nervoso depois de muitas experiências de frustração com sua performance e termina desistindo do curso, fugindo do estúdio sem se confrontar diretamente com seus professores. Em “Madame Zilensky e o rei da Finlândia”, o chefe do departamento de música, sr. Brook retrocede em uma discussão com Madame Zilensky, uma professora de música que contava uma série de histórias fantásticas e mentirosas porque sua vida se resumia à música. Ao final, sr. Brook desiste de insistir que a professora não poderia ter visto o rei da Finlândia passar em um trenó porque a Finlândia era uma república e termina perguntando a ela se o rei da Finlândia estava bem, assumindo a história fantástica da colega como verdade.

No conto “O Transeunte” (no original, “The Sojourner”), John Ferris janta na casa da ex-esposa, Elizabeth, que está perfeitamente integrada ao seu ambiente familiar, casada, com um casal de filhos e um marido. Ao invés de provocar qualquer cena de ciúme ou competição, Ferris lida muito bem com sua inveja: volta para sua casa em Paris, abraça Valentim, o filho de sua namorada Jeannine, e lhe promete mais passeios, aprendendo com a atmosfera amorosa da casa da ex-esposa, e copiando seu modelo, ou seja, Elizabeth de forma a ficar mais amoroso com Valetim, com quem costumava sair poucas vezes.

No conto “Um dilema doméstico”, Martin acaba perdoando todas as faltas de sua esposa, que está tornando-se uma alcoólatra e termina deitando na cama do casal sem brigar ou se enraivecer. Apesar de Emily ter ocultado seu vício, colocado a segurança dos filhos em risco, confundido a lata de canela com pimenta e dado torrada com pimenta para as crianças, feito uma cena dramática na frente dos filhos, McCullers termina o conto com uma atitude surpreendentemente compassiva vinda de Martin:

Enquanto Martin contemplava o sono tranqüilo da mulher, o fantasma da velha raiva desapareceu. Todos os pensamentos de crítica e aborrecimento agora estavam longe dele. Martim apagou a luz do banheiro e abriu a janela. Cuidadosamente, para não acordar Emily, ele deslizou na cama. Sob a luz da lua, olhou sua mulher mais uma vez. Suas mãos procuraram a carne próxima e a dor igualou-se ao desejo na imensa complexidade do amor. (MCCULLERS, 1993, p. 139)

A vida de Carson McCullers esteve repleta de acontecimentos dolorosos e de acontecimentos fantasticamente alegres. A escritora sofreu diversos problemas de saúde ao longo da vida, e precisou voltar ao Sul dos Estados Unidos repetidas vezes para se recuperar servindo-se dos cuidados de sua mãe. Ao mesmo tempo, McCullers teve a oportunidade de conviver com diversos artistas e escritores, seja em uma casa no Brooklin, Nova Iorque onde morou por um tempo, seja na colônia para escritores chamada Yaddo onde se hospedou muitas vezes. McCullers viveu momentos de extrema dificuldade devido à sua saúde, ao seu casamento conturbado com Reeves McCullers (que sonhara tornar-se um escritor como Carson, mas nunca conseguiu realizar seu sonho e terminou tornando-se alcoólatra e cometendo suicídio). E ao mesmo tempo, a escritora chegou a fazer muito sucesso com a adaptação de The Member of the Wedding para o teatro e conheceu celebridades como Isak Dinesen (Karen Blixen) e Marlyn Monroe além de ter Tennessee Williams como um dos melhores amigos.

A presente pesquisa busca também investigar a biografia da autora, buscando traçar possíveis pontes entre sua vida e sua obra e entre sua vivência religiosa na igreja Batista na adolescência e sua suspeita a respeito da religião na vida adulta que inclui, por exemplo, uma crise e uma busca por uma ligação com Deus. Não há dúvidas de que exista um paralelo entre os temas de arrependimento e compaixão e fraternidade com o texto bíblico, mas não procuraremos por respostas definitivas e sim por relações.

Neste projeto, procuro perceber os traços romanescos na ficção de Carson McCullers e articular sua ficção às reflexões sobre o conceito de inteligência da vítima proposto por James Allison e sobre a possibilidade da ficção da autora reforçar uma experiência não-violenta, compassiva e fraterna no que tange as relações humanas. Assim, as resoluções dos conflitos violentos das narrativas de Carson McCullers revelam uma busca por temas fraternos e compassivos e por sentimentos não-violentos, dialogando de forma harmoniosa com as reflexões girardianas.

Este projeto propõe uma análise literária da ficção de Carson McCullers aliada às reflexões de Girard, estabelecendo um diálogo entre análise literária e teoria mimética que permite destacar momentos em que a autora descreve relações humanas se rompendo ou prestes a se romper, mas descreve em seguida soluções para além dos sentimentos disruptivos da zona sombria da mediação (tais como ciúmes, inveja, rancor, ressentimento e vingança) propondo saídas para conflitos humanos a partir de sentimentos de união, amizade, fraternidade e compaixão.

Revela-se assim uma literatura que aborda os conflitos humanos e a violência intrínseca às relações e que propõe desenlaces fraternos e harmoniosos para as interações cotidianas entre indivíduos.

Referências bibliográficas

ALISON, James. O pecado original à luz da ressurreição: a alegria de descobrir-se equivocado. São Paulo: É Realizações, 2011.

CARR, Virginia Spencer. Understanding Carson McCullers. Columbia, S.C.: University of South California Press,1990. 

GIRARD, René. Mentira romântica e verdade romanesca. Trad. Lilia Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações Editora, 2009.

_____. A violência e o sagrado. Tradução: Martha Conceição Gambini. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1990, p. 24.

_____. Coisas ocultas desde a fundação do mundo. Trad. Martha Gambini. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

MCCULLERS, Carson. The Heart is a Lonely Hunter. In: Carson McCullers – Complete Novels. New York, The Library of America, 2001, p. 1-306.

_____. Reflexions in a Golden Eye. In: Carson McCullers – Complete Novels. Nova York, The Library of America, 2001, p. 309-393.

_____. The Member of the Wedding. In: Carson McCullers: Complete Novels. Nova York, The Library of America, 2001, p. 459-586.

_____. “Sucker.” In: Collected Stories of Carson McCullers. Nova York, Houhton Mifflin Company, 1987, p. 1-10.

_____. “Sucker”. O coração hipotecado. Osasco, SP: Novo Século Editora, 2010, p. 26-38.

_____. “Wunderkind.” In: Collected Stories of Carson McCullers. Nova York, Houhton Mifflin Company, 1987, p. 58-70.

_____. “Madame Zilensky and the King of Finland” In: Collected Stories of Carson McCullers. Nova York, Houghton Mifflin Company, 1987, p. 110-118.

_____. “The Sojourner”. In: Collected Stories of Carson McCullers. Nova York, Houghton Mifflin Company, 1987, p. 138-147.

_____. A balada do café triste e outras histórias. Trad. Caio Fernando Abreu. São Paulo: Globo, 1993.

_____. “Wunderkind”. In: A balada do café triste e outras histórias. Trad. Caio Fernando Abreu. São Paulo: Globo, 1993, p. 77-92.

_____. “Madame Zilensky e o Rei da Finlândia.” In: A balada do café triste e outras histórias. Trad. Caio Fernando Abreu. São Paulo: Globo, 1993,p. 101-111.

_____. “O Transeunte”. In: A balada do café triste e outras histórias. Trad. Caio Fernando Abreu. São Paulo: Globo, 1993, p. 113-125.

MCCULLERS, Carson. “Um dilema doméstico”. In: A balada do café triste e outras histórias. Trad. Caio Fernando Abreu. São Paulo: Globo, 1993, p. 127-139.

MCCULLERS, Carson. O Coração é um Caçador Solitário. Trad. Sonia Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_____. A sócia do casamento. Trad. Sonia Coutinho. São Paulo: Círculo do Livro, 1993.

_____. Reflexos num olho dourado. Trad. Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

Diálogos entre a teoria mimética de René Girard e The Heart is a Lonely Hunter (1940), de Carson McCullers

por Júlia Reyes (UERJ)

(Apresentação feita na Escola de Inverno René Girard em 2015.

É uma honra ter a oportunidade de apresentar meu projeto de doutorado em Literatura Comparada pela UERJ aos alunos, alunas, e aos três professores da Escola de Inverno 2015, tendo em vista os diálogos que cada um dos teóricos convidados pode oferecer para o desenvolvimento da presente pesquisa.

Esta apresentação me oferece a escuta atenta de professores que dialogaram com a teoria mimética em diversas áreas de conhecimento e a profícua troca de ideias com interlocutores que podem auxiliar meu trabalho. Por isso, expresso minha alegria e gratidão por esta oportunidade.

A Escola de Inverno nos auxilia na compreensão da teoria girardiana, de suas dinâmicas e de seus componentes. Podemos dialogar sobre a teoria mimética em nível interdividual e pensar nas relações pessoais e também em sua relação com a geopolítica, com a economia, com as relações de poder, com a justiça e com os modos de organização e de gestão de atividades e de empreendimentos sociais que afetam indivíduos e comunidades e que também possuem um caráter mimético. Essas questões perpassam as produções de Carson McCullers (1917–1967), que escreveu e viveu na metade do século XX nos Estados Unidos, um país assolado pelos linchamentos e discursos racistas e heteronormativos.

Temos ainda a oportunidade de dialogar dentro do campo dos estudos bíblicos e das questões sobre violência inderdividual, sobre vingança, sobre ressentimento, sobre arrependimento, sobre perdão e sobre compaixão, as quais a obra de Girard discute ao ressaltar o desejo mimético e sua zona sombria e as possibilidades de superação da rivalidade e da violência através de uma conversão ética que propõe uma convivência que não seja atravessada por um mimetismo violento. Portanto, é com muita gratidão que aceito o convite para expor meu trabalho em sua fase inicial.

Meu projeto de pesquisa foi intitulado “Diálogos entre a teoria mimética de René Girard e The Heart is a Lonely Hunter (1940) de Carson McCullers”. Nessa pesquisa, o objetivo geral é fazer uma análise do primeiro romance da escritora estadunidense Carson McCullers (1917–1967) e de alguns de seus contos buscando uma interface com as proposições de Girard e da teoria mimética, definida pelo autor da seguinte maneira: “A Teoria Mimética ou Imitativa é uma explicação do comportamento humano e da cultura humana”.1

A ideia de relacionar a teoria mimética com as produções de McCullers surgiu da observação de que a autora, em muitas de suas obras, apresenta enredos com personagens que podem ser considerados outsiders, outcasts, marginais, freaks, forasteiros, ou seja, pessoas que estão fora de concepções normativas pré-estabelecidas culturalmente.

René Girard realça um mecanismo de resolução do conflito generalizado denominado “bode expiatório”, identificado na vítima sacrificial das sociedades arcaicas. Nele, uma vítima extingue, com seu sacrifício, a escalada das violências sociais endógenas de uma dada comunidade, promovendo o retorno da ordem social ameaçada pelas rivalidades entre os integrantes de seu grupo. Carson McCullers, por sua vez, dá destaque a personagens que não se enquadram em padrões normativos2, como anões, surdos-mudos, alcoólatras, adolescentes deslocadas, mulheres, negros, crianças e homossexuais.

Escolhendo personagens outsiders, McCullers trabalha contextos de inclusão e exclusão, de violência e de relações humanas que dialogam com as reflexões girardianas, pois os personagens considerados “diferentes” são bodes expiatórios potenciais da comunidade a que pertencem ou na qual se inseriram. O fato de McCullers ter escolhido personagens que se destacam do grupo social por serem desviantes da norma faz com que a autora precise retratar as relações sociais de forma a apresentar e resolver os conflitos inerentes à presença de tais personagens no espaço social. Paralelamente, Girard investigou esse tipo de dinâmica de conflitos humanos ao longo de sua trajetória teórica.

A partir da coincidência entre os dois autores que trabalham com excluídos e incluídos (os bodes expiatórios no caso de Girard, e os outcasts no caso de McCullers), uma hipótese de trabalho foi delineada, buscando-se as confluências entre os dois autores. O destaque concedido por McCullers a personagens fora de padrões normativos torna, na minha hipótese, essas personagens bodes expiatórios em potencial e faz com que a autora precise resolver essa tensão entre personagens desviantes e não-desviantes retratando dinâmicas sociais de exclusão ou também de aceitação dos indivíduos vistos como “diferentes” em seus livros.

Portanto, existia uma possibilidade de que, mesmo sem conhecer a teoria de Girard, McCullers tenha intuído e trabalhado sobre a rivalidade mimética e o mecanismo do bode expiatório enquanto escrevia. Essa hipótese é baseada também nas reflexões de Girard em Mentira Romântica e Verdade Romanesca (1961), em que o autor apresenta intuições teóricas a partir da leitura de romancistas modernos. Assim, outra hipótese a ser respondida é se Carson McCullers é uma escritora “romanesca”.

A primeira intuição de Girard versa sobre o caráter fundamentalmente mimético do desejo humano, que ilumina as rivalidades interdividuais. A segunda intuição girardiana destaca a solução encontrada para apaziguar e diluir as tensões sociais advindas de tais rivalidades, o mecanismo do bode expiatório. A análise literária dos contos e do romance de McCullers vai dialogar com essas intuições.

No primeiro romance de Carson McCullers, The Heart is a Lonely Hunter (1940) temos a apresentação de duas personagens principais que são surdos-mudos: Spiros Antonapoulus e John Singer. Os dois moravam juntos há dez anos e eram os únicos surdos-mudos de uma pequena cidade estadunidense. Quando Spiros Antonapoulus, depois de aprontar diversos atos escandalosos e obscenos em público, é enviado para um hospício, John Singer fica sozinho e isolado, pois mesmo sabendo ler lábios, ele perde seu melhor amigo e interlocutor. Essa condição faz com que o vínculo social de John Singer torne-se muito fraco, transformando-o assim em um bode expiatório em potencial.

Há também as outras personagens do romance, Dr. Copeland, um doutor negro que cuida exclusivamente de pacientes negros e está em conflito com a família; Biff Brannon, o dono do New York Café, onde os personagens se encontram, Mick Kelly, uma adolescente apaixonada por música e piano, e Jake Blount, um viajante socialista que prega sobre suas crenças, bebe muito e tem um comportamento volátil. Todas as personagens interagem com John Singer, projetando nele qualidades que admiram. Esse fato reforça ainda mais a possibilidade de John Singer ser visto como um bode expiatório simbólico da trama.

René Girard observa, em seu segundo livro, A Violência e o Sagrado (1972) que os indivíduos potencialmente escolhidos como bodes expiatórios são em geral aqueles que possuem um elo frágil com a sociedade, pois ninguém poderá, depois de sua imolação, reclamar sua morte e empreender um plano ou ação de vingança. Girard assinala a respeito da escolha de vítimas sacrificiais:

Encontramos em primeiro lugar os indivíduos que apresentam um vínculo muito frágil ou nulo com a sociedade: os prisioneiros de guerra, os escravos, o pharmakós. Na maioria das sociedades primitivas, as crianças e os adolescentes ainda não iniciados também não pertencem à comunidade: seus direitos e deveres são praticamente inexistentes (Girard 2008, p. 24).

Assim, um disparador da possível relação entre os dois autores tornou-se possível, mas não se restringe à presença de bodes expiatórios.

Compaixão x reciprocidade violenta

Na terceira intuição de René Girard, referente ao livro Coisas Ocultas Desde a Fundação do Mundo (1978), a religião é o processo de institucionalização do mecanismo do bode expiatório. A emergência da cultura e o surgimento do fenômeno religioso são, em Girard, como assinala João Cezar de Castro Rocha3, dois momentos de um mesmo processo (Rocha 2014, p. 64).

Diante da interface entre a teoria mimética e os estudos bíblicos, tenho a intenção de trabalhar o romance e os contos de McCullers do livro The Ballad of the Sad Café (1951) sob a perspectiva da dissolução da vingança e do tema do amor, da compaixão e do perdão, sentimentos contrários à rivalidade mimética. Buscarei averiguar o conceito de “inteligência da vítima” em oposição à reciprocidade violenta e ao mecanismo do bode expiatório; se a inteligência da vítima está presente nos contos de McCullers e de que forma é trabalhada em cada um deles.

René Girard considera Jesus como a vítima inocente por excelência, aquela que é capaz revelar que o mimetismo, quando transformado em rivalidade mimética, revela nossa tendência de atuarmos como perseguidores de inocentes e como acusadores. Essa seria a postura satânica, oposta ao amor gratuito de Jesus e de Deus Pai.

James Alison retoma essa reflexão de Girard, estabelecida marcadamente em Coisas ocultas desde a fundação do mundo (1978) e em Eu via Satanás cair como um relâmpago (2012). Em O Pecado Original à Luz da Ressurreição: A Alegria de Descobri-se Equivocado (2011), James Alison propõe o conceito de “inteligência da vítima”, continuando as reflexões de Girard, que tinha definido Satanás como o mau mimetismo.4

A vítima ou bode expiatório pode ser um membro social escolhido de forma estratégica por se desviar da normalidade, seja por possuir características positivas ou negativas em relação aos outros integrantes do grupo. Podemos discutir a vítima que será sacrificada nas sociedades de hominídeos, e podemos discutir a vítima como um membro socialmente hostilizado e excluído. René Girard, em Eu via Satanás cair como um relâmpago (1999) diz o seguinte sobre a definição de bode expiatório:

Portanto, a expressão bode expiatório designa: 1) a vítima do rito descrito no Levítico 2) todas as vítimas de ritos análogos que existem nas sociedades arcaicas e que são também chamados de ritos de expulsão; e finalmente 3) todos os fenômenos de transferências coletivas não ritualizadas que observamos ou pensamos observar ao nosso redor. (GIRARD, 1999, p.227).

James Alison, em O Pecado Original à Luz da Ressurreição: A Alegria de Descobrir-se Equivocado (1998) reforça que o envolvimento dos seres humanos com a morte se caracteriza de uma forma específica, na qual a constituição do desejo humano é “forjada no modo de skandala, por meio do qual recebemos a morte, uns dos outros, e causamos morte uns nos outros em nossos mútuos envolvimentos vitimários” (p.237). Por outro lado, Alison explica que mesmo os seres humanos aprisionados em uma reciprocidade violenta, chamada por Girard de “psicologia interdividual”, onde reside um desejo que nos conduz à morte, nossa ou dos outros, há outra possibilidade de comportamento que não leva à morte. Jesus e os Evangelhos pregam outra orientação a que é possível ascender.

A “inteligência da vítima”, conceito de James Alison, refere-se à inteligência de um ser humano que recusa a vingança e o ressentimento, instituições típicas da rivalidade mimética, alguém que não condena o algoz e segue o ensinamento de Jesus. Jesus não ensina o desejo relacionado à morte, mas um ensinamento ético que “busca nos libertar ao nos ensinar uma nova forma, mas não menos recíproca de desejo, a qual nos permitirá cumprir a lei e os profetas a partir do coração” (Alison 1998, p. 236).

James Alison ressalta que a intuição psicológica interdividual de Jesus é encontrada nos Evangelhos de Mateus e de Marcos: “O antídoto ao desejo tomado de rivalidade, presente entre os discípulos em sua busca por grandeza, pode ser sorvido no aprendizado de remodelar o desejo em função de buscar e receber o não importante, como as crianças fazem (9, 36–37). São os sem importância que não ficarão escandalizados (9, 42), pois são eles, marginais e periféricos diante do mundo complexo dos desejos adultos, que são realmente capazes de receber a gratuidade de Deus (10, 14–15) (ALISON, 2011, p.236).

Assim, os aspectos fabulares, infantis, cômicos e góticos dos personagens de Carson McCullers podem ainda ser investigados em seu aspecto infantil e dramático particular, como a pré-adolescente Mick Kelly; seu irmão, o garoto Bubber/George; ou os amigos surdos-mudos John Singer e Spiros Antonapoulus, pois a atmosfera influenciada pelo realismo russo da autora é marcada por personagens e tramas com tons realistas e lúdicos, de aspectos trágicos e cômicos, de forma que a inocência de alguns personagens outsiders seja demarcada e espalhe-se como um tom, uma atmosfera própria que contamina e acompanha a leitura e que no plano do conteúdo por acompanhar o contexto da “inteligência da vítima”.

Assim, a leitura do romance de Carson McCullers será feita na tentativa de relacionar seu romance com a teoria mimética e com a inteligência da vítima, bem como a análise de seus contos, que também será realizada sob a perspectiva da inteligência da vítima, da compaixão, do amor e do arrependimento por oposição à rivalidade mimética, ao mecanismo do bode expiatório e à reciprocidade violenta.

A presente pesquisa ainda está em uma fase inicial, e a preocupação central é a compreensão da teoria mimética e a revisão bibliográfica das obras de René Girard. Apresentei aqui alguns caminhos de análises possíveis e espero que as perspectivas que insinuei estejam de acordo com o pensamento girardiano e tornem-se posteriormente reflexões literárias mais claras e consolidadas, que indiquem que a literatura pode ser trabalhada através da interface com a teoria mimética, considerando que enfrentamos os problemas de rivalidade e violência desde as sociedades arcaicas, e que muitos escritores podem articular essas questões em suas produções.

A literatura e a análise literária, nesse prisma da relação com a teoria mimética, não estaria circunscrita exclusivamente ao campo da estética, da análise literária tradicional ou da descrição formal, mas estaria também ligada ao domínio da filosofia, da antropologia e dos estudos bíblicos, ressoando a amplitude da teoria girardiana.

Finalizo por aqui, e agradeço a atenção de todos e todas e a disposição em dialogar.

Referências bibliográficas

ALISON, James. O pecado original à luz da ressurreição: a alegria de descobrir-se equivocado. Trad. Mauricio G. Righi. – São Paulo: É realizações, 2011.

Girard, René. A violência e o sagrado. Tradução: Martha Conceição Gambini. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1990.

_____. Coisas ocultas desde a fundação do mundo. Trad. Martha Gambini. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

_____. Mentira romântica e verdade romanesca. Trad. Lilia Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações Editora, 2009.

_____. Eu via Satanás cair como um relâmpago. Trad. Martha Gambini. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

ROCHA, João Cezar de Castro. Culturas shakespearianas?: Teoria mimética y América Latina. México: Sistema Universitario Jesuita: Fideicomiso Fernando Bustos Barrena, 2014.

Júlia Reyes, colaboradora regular do blog Miméticos, é doutoranda em Literatura Comparada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), onde desenvolve pesquisas na área de Letras com ênfase em literatura estadunidense e sua interface com a teoria mimética proposta pelo filósofo francês René Girard (1923-).


  1. “Mimetic or imitative theory is an explanation of human behavior and human culture”. Girard, René. “Account of mimetic theory”, março de 2009. (Consulta em 14 de setembro de 2011.)

  2. René Girard, em Eu via Satanás Cair como um Relâmpago (1999) afirma sobre as vítimas: “As vítimas podem ser aleijados, enfermos, miseráveis, desfavorecidos, indivíduos mentalmente retardados, mas também grandes inspiradores religiosos, como Jesus ou os profetas judeus, ou ainda, atualmente, grandes artistas ou pensadores. Todos os povos têm tendência a rejeitar, sob um pretexto ou outro, os indivíduos que escapam de sua concepção do normal e do aceitável” (GIRARD 1999, p.51).

  3. ROCHA, João Cezar de Castro. Culturas Shakesperianas?: Teoria Mimética y América Latina. México: Sistema Universitario Jesuita: Fideicomiso Fernando Bustos Barrena, 2014.

  4. Girard, em Eu Via Satanás Cair como um Relâmpago (2012), esclarece: “Como é o mestre do mecanismo vitimário, Satanás é também o mestre da cultura humana que não tem outra origem além do assassinato. Em última análise, é o diabo, ou, em outras palavras, o mau mimetismo, que se encontra na origem não somente da cultura cainita, mas de todas as culturas humanas” (p. 134).

© 2017 Miméticos

Theme by Anders NorenUp ↑